title='Clique aqui para ver mais sobre Banner Promo_Expo Emergência'
P SuperGuia Net banner 1
ExpoEmergência - 01
 
 
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Ocorrências
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias
E Cadastre-se Banner 4
E Fotos Redes Sociais Banner 5
E Entidades Banner 5
E Superguianet - Banner 5
E Proteção Digital Banner 5


Você está em: Matérias / Entrevistas / RANDAL FONSECA - Especialista e instrutor em emergências ressalta a importância de planejamentos estratégicos para controle de incidentes e desastres
Entrevistas
RANDAL FONSECA - Especialista e instrutor em emergências ressalta a importância de planejamentos estratégicos para controle de incidentes e desastres
Formador de instrutores pelo NSC (National Safety Council), dos Estados Unidos, há mais de 20 anos, e gestor de emergências, Randal Fonseca atualmente está participando do desenvolvimento de um sistema de informática, com softwares dedicados à Gestão de Emergências para empresas e comunidades de língua oficial portuguesa. Segundo ele, a função essencial do gestor de emergências é alertar as organizações e populações a manter estado natural de prontidão para responder a emergências de quaisquer magnitudes. "As ações em emergências não podem decorrer de improvisos. Elas precisam ser o resultado de planos estratégicos bem estruturados, testados e aprovados, para cada tipo de incidente que possa ocorrer em determinado local", afirma o especialista.

Em entrevista à Emergência, Fonseca fala sobre o despreparo dos gestores de empresas brasileiras, bem como das autoridades, no que diz respeito à gestão de emergências. Ele ainda ressalta técnicas e métodos utilizados no exterior, mostrando a importância de se ter profissionais qualificados e população informada para diminuir os danos causados pelos desastres.

PERFIL RANDAL FONSECA
Graduado em Análise de Desenvolvimento de Sistemas pelo IAG (Instituto de Administração e Gerência da PUC-Rio), em 1968, e graduado em História (Licenciatura plena) e pós-graduado em História Sociocultural pela FESB (Fundação Municipal de Ensino Superior de Bragança Paulista/SP), em 2005 e 2007 respectivamente. Fonseca possui diversas especializações na área de Emergência e obteve o mais alto grau de formação como instrutor de mergulho autônomo em 1989, pela SSI (Scuba Schools International) e instrutor de emergências médicas (1994) e condução defensiva (2000) pelo NSC (National Safety Council), ambas instituições americanas. Ao longo destes anos participou de diversas operações de busca e salvamento aquático e subaquático, desenvolveu e implantou sistemas de Emergências Médicas e Planos de Ações em Emergências para empresas nacionais e multinacionais e traduziu, editou e publicou materiais didáticos do NSC. Além disto, Randal Fonseca acaba de lançar o livro Emergências Complexas - Gestão para resiliência.

COMO E QUANDO INICIOU O SEU INTERESSE PELA ÁREA DE EMERGÊNCIA?

Em 1973, apareceu uma oportunidade de trabalho numa companhia de aviação com sede em Dallas, a Braniff Airways. Neste mesmo ano, o presidente Richard Nixon promoveu o SEM (Sistema de Emergências Médicas), adotando a Estrela da Vida como símbolo para substituir a cruz abóbora sobre o fundo branco que confundia com o símbolo da Cruz Vermelha e, nesta época, os tripulantes das aeronaves foram incluídos como os primeiros leigos a aprenderem RCP (Ressuscitação Cardiopulmonar). Em 1977, ainda trabalhando na Braniff Airways, aprendi a mergulhar com equipamento de respiração autônoma e decidi voltar ao Brasil para fundar a primeira escola de mergulho dedicada exclusivamente à observação da vida marinha. Por ser uma atividade de risco, os cursos de mergulho incluem ensinamentos de resgate e salvamento, primeiros socorros, RCP e administração de oxigênio. Foi assim que entrei em contato com o NSC (National Safety Council - Conselho Nacional de Segurança) e firmei, em 1994, um acordo para traduzir os programas de resposta a emergências para o idioma português. Hoje, estou trabalhando no desenvolvimento de softwares que possibilitam determinar vulnerabilidades a riscos, emitir relatórios com soluções de tratamento para alcançar níveis razoáveis de resiliência a desastres, a custos pré-definidos, por meio do compartilhamento de recursos entre empresas e comunidades integradas em rede. Os sistemas de monitorização operam com tecnologia de Internet das Coisas (que conecta dispositivos eletrônicos sem intervenção humana), formando núcleos cooperativados de auxílio mútuo por regiões.
Por
Revista Emergência / Luana Cunha

FOTO
Arquivo Pessoal

Confira a entrevista completa na edição de junho da Revista Emergência.
 
Mais de Entrevistas
 
1     2     3     4     5     6     7     8     9
Edição do Mês
 
ExpoEmergência - 06
E Forum APH facebook Banner 6
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Emergência. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Assine a Revista Emergência Outras Publicações Nossos Eventos Eventos Emergência SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Entidades Estatísticas Download Fale Conosco
Loft Digital