Rava Campos Banner 1 - Abril 2019
 
 
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Ocorrências
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias
E Superguianet - Banner 5


Você está em: Noticias / Leia na Edição do Mês
Leia na Edição do Mês
A escolha pela remoção imediata ou pelo atendimento no local em um cenário de APH

Beto Soares/Estúdio Boom
Data: 15/08/2019 / Fonte: Thiago Paes de Barros De Luccia, Carmem Fabiana Rodrigues de Araujo e Armando Cesar Cerejeira Rodrig

No atendimento pré-hospitalar, muitas vezes, decidir o momento certo para se fazer a remoção de uma vítima é uma tarefa difícil. Na literatura médica que trata do atendimento pré-hospitalar da vítima politraumatizada, que pode estar em PCR (Parada Cardiopulmonar), ou não, existe um questionamento de qual seria a melhor conduta a se tomar: remover a vítima rapidamente para o hospital ou estabilizá-la na cena do trauma e só então levá-la ao hospital? Em inglês este questionamento é resumido na sentença: "Scoop and run or stay and play?". "Scoop and run - não tardar e partir" seria a remoção rápida, logicamente seguindo os protocolos estabelecidos pelo PHTLS e ATLS (focando na manutenção das vias aéreas, controle de sangramentos externos e choque, imobilizações básicas, etc). "Stay and play - ficar e agir" envolve múltiplas ações que podem ser realizadas na cena da ocorrência, que abrangem desde intubação orotraqueal e administração de drogas a descompressões torácicas e cesáreas perimortem de emergência.

A ligação entre tempo de chegada ao hospital e o bom desfecho de vítimas gravemente feridas, se deu historicamente pela comparação dos atendimentos dos soldados dos EUA nas Guerras da Coréia (1950 a 1953, com  33.729 mortes de soldados dos EUA segundo a ONU, conforme consta no Acervo Estadão) e do Vietnã (1955 a 1975, com 58 mil mortes de soldados dos EUA, segundo Q. Le). Na Guerra da Coréia, o tempo médio de chegada ao hospital era de cinco horas, enquanto que na do Vietnã era de uma hora, conforme S. Taran. Percebeu-se que quanto antes o ferido chegasse ao hospital melhor seriam suas chances de recuperação.

Confira o artigo completo na edição de agosto da Revista Emergência.
Comentários
Deixe seu comentário sobre a notícia:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* E-mail, Profissão, Estado e cidade não serão publicados.
 
 
 
   
 
 
 
Código de verificação:

Repita o código ao lado:
 
 
Enviar


Mais de Leia na Edição do Mês
 
1     2     3     4     5     6     7     8     9     10
Edição do Mês
 
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Emergência. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Outras Publicações Revista Emergência Nossos Eventos Eventos Emergência SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Entidades Estatísticas Download Fale Conosco
Loft Digital