P SuperGuia Net banner 1
 
 
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Ocorrências
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias
E Cadastre-se Banner 4
E Fotos Redes Sociais Banner 5
E Superguianet - Banner 5
E Entidades Banner 5


Você está em: Noticias / Leia na Edição do Mês
Leia na Edição do Mês
Artigo fala sobre técnicas de controle de incêndio em refinarias de petróleo

Arquivo Adão Meranovicz
Data: 08/10/2013 / Fonte: Revista Emergência

O processo de produção em refinarias de petróleo envolve riscos operacionais que têm potencial de incêndio e explosão. Por esta razão, operam dentro de limites estabelecidos pelas especificações normativas e pelo planejamento operacional, visando resposta imediata para restabelecer a situação de normalidade quando ocorrerem distúrbios operacionais que envolvam os riscos citados.

A resposta imediata é obtida pela atuação em emergência de combate a incêndio, baseada em planos de preparação e resposta, os quais devem ser seguidos pela equipe de emergência e operação. A ocorrência de sinistros na indústria do petróleo é indesejada e, por isto mesmo, gerenciada. Mesmo assim, a equipe de controle deve estar apta a enfrentar qualquer situação de emergência.

Uma vez declarado incêndio em um tanque de armazenamento não é o momento de descobrir deficiências, pois é o planejamento antecipado e treinamento adequado que farão com que as operações de extinção sejam exitosas.
Os tipos de tanques de armazenamento são concebidos considerando a função do produto por meio de um estudo adequado das condições ambientais, segurança operacional, o custo do tanque e as perdas operacionais.

Nas empresas de produção de bens e serviços, a função dos brigadistas é controlar emergências até a chegada do Corpo de Bombeiros. Nas indústrias de alto risco, como a petrolífera, no entanto, a situação é inversa. A participação nas brigadas de incêndio requer seleção de pessoal de acordo com critérios técnicos e psicológicos, além de treinamento diferenciado, técnico e comportamental.

O objeto deste estudo é fornecer informações para aprimorar as técnicas de controle de incêndio em tanques de armazenamento atmosféricos em refinarias de petróleo. Ao final deste trabalho pretende-se fornecer subsídios para a sistemática de realização de simulados de emergência, à adequação do sistema de treinamento das equipes de atendimento à emergência de incêndio em relação aos riscos típicos de tanques atmosféricos e para as respostas necessárias em uma refinaria de petróleo. 

Características

Este trabalho refere-se a problemas e situações específicas do armazenamento de petróleo e derivados em refinarias. 

Para Benedito Cardella, a ocorrência de eventos perigosos como no caso de incêndios em tanques, caracteriza uma emergência. Toda a emergência é uma ocorrência anormal. O esperado ou desejado é sua ausência.

Segundo a norma da ABNT/NBR 7005 (Armazenagem de líquidos inflamáveis e combustíveis: parte 1: armazenagem em tanques estacionários), de 2000, as instalações projetadas e construídas para operar com derivados de petróleo devem obedecer às boas práticas de Engenharia e aos procedimentos internos de controle de qualidade inerentes ao processo.

Para Dácio Jordão e Luciano Rubin Franco, as refinarias de petróleo são consideradas como fontes de risco de magnitude relativa alta, o que lhes confere os maiores volumes de risco.

Entende-se que as refinarias sejam consideradas desta forma, tendo em vista que seus equipamentos de processo, além de serem em grande número, apresentam grande diversidade de tipos e operam com parâmetros de processo referentes à carga normalmente elevados.

Segundo Jordão e Rubin Franco, os tanques têm fundamental importância para o processamento de petróleo. Neles são estocadas as cargas para as unidades de processo e seus derivados em refinarias de petróleo. Geralmente é classificado quanto ao tipo de teto, podendo ser fixo, flutuante ou ainda com teto fixo com flutuante interno.

As emergências no setor petrolífero envolvendo tanques de armazenamento tendem a ser raras e as oportunidades de praticar a tomada de decisões em situações deste tipo raramente surgem. Poucos casos de experiências baseadas em ocorrências são adquiridas durante as carreiras profissionais face aos métodos de gerenciamento de riscos e da preparação dos funcionários para a prevenção de emergências.

A experiência mostra que uma grande proporção de incêndios em tanques pode ser atribuída a fatores de projeto, operação, manutenção, ambiental e queda de balões. Métodos de redução de risco abrangem controle de derramamentos, prevenção contra descargas atmosféricas, plano de manutenção, distanciamento entre tanques conforme legislação pertinente, sistemas de prevenção de incêndios e ensaios não destrutivos.

As principais questões consideradas em um plano de emergência são: funcionamento dos equipamentos, tempo de chegada, reação das pessoas, treinamentos, exercícios simulados de emergências e a elaboração prévia da análise de risco.

Artigo de Adão Luiz Meranovicz, graduado em Engenharia da Produção com pós em Engenharia de Segurança no Trabalho

Confira artigo completo na edição de outubro da Revista Emergência


Comentários
Lailton de Jesus Anunciação Denuncie este comentário
Excelente Matéria
Deixe seu comentário sobre a notícia:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* E-mail, Profissão, Estado e cidade não serão publicados.
 
 
 
   
 
 
 
Código de verificação:

Repita o código ao lado:
 
 
Enviar


Notícias relacionadas
Mais de Leia na Edição do Mês
 
1     2     3     4     5     6     7     8     9     10
Edição do Mês
 
E Forum APH facebook Banner 6
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Emergência. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Outras Publicações Revista Emergência Nossos Eventos Eventos Emergência SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Entidades Estatísticas Download Fale Conosco
Loft Digital