P SuperGuia Net banner 1
 
 
    Eventos
    Geral
    Legal
    Leia na Edição do Mês
    Ocorrências
    Produtos & Serviços
    Últimas Notícias
E Papeis de Parede Banner 4
E Fotos Redes Sociais Banner 5
E Superguianet - Banner 5
E Entidades Banner 5
E Proteção Digital Banner 5


Você está em: Noticias / Leia na Edição do Mês
Leia na Edição do Mês
Estudo aborda o histórico, a estrutura organizacional e os resultados da especialização das equipes de mergulho do CBMES

CBMES
Data: 10/01/2017 / Fonte: Dainer Marçal Dias e Carlos Alberto Mendes de Souza

Fruto de apoio incondicional do comando da instituição e um trabalho contínuo realizado por oficiais e praças da Corporação, principalmente na última década, a atividade de MSP (Mergulho de Segurança Pública) do CBMES (Corpo de Bombeiros Militar do Espírito Santo) vem se consolidando e se desenvolvendo, tendo como premissas os processos de aprendizado e conhecimento, bem como os processos internos apontados no planejamento estratégico da corporação.

O termo MSP ou PSD (Public Safety Dive) é utilizado para caracterizar o trabalho de mergulho para busca e recuperação subaquática de evidências criminais e corpos em virtude de acidentes ou crimes.

Desempenhado por forças de segurança pública (Policiais, Bombeiros e/ou voluntários), esta doutrina tem sido desenvolvida desde o final dos anos 60 nos Estados Unidos e na Europa, em virtude das necessidades e riscos específicos que o serviço e locais de atuação impõem.

No Brasil, o MSP é algo novo e envolve a quebra de vários paradigmas decorrentes de uma cultura baseada em um treinamento militar advindo da Marinha do Brasil, misturado a influências do mergulho recreativo, que de certa forma se "infiltrou" nos Corpos de Bombeiros de todo país, em virtude das dificuldades internas das corporações na manutenção do equipamento já existente, bem como na confecção de especificações e compra de novos materiais.

Esta nova doutrina no Brasil mostra que o mergulho autônomo é apenas uma ferramenta de trabalho para a execução de uma atividade fim. Como exemplo das diversas aplicações da "ferramenta" mergulho, tem-se basicamente o mergulho militar de combate, o comercial, o científico, o recreativo/técnico e o de segurança pública, que possuem características e finalidades totalmente diversas entre si, exigindo normatização, configuração de equipamentos e treinamento específico para cada um dos casos.

Um mergulhador recreativo, que mergulha por lazer, não necessita da configuração de equipamento, da normatização e muito menos do treinamento de um mergulhador comercial que trabalha, por exemplo, para dragar lama de um canal ou realizar um serviço submerso de corte e solda.

Estes trabalhadores têm necessidades diferenciadas de um mergulhador de segurança pública, que tem por objetivo recuperar cadáveres ou evidências criminais em água de visibilidade zero, poluída ou contaminada, e com riscos como enrosco, desorientação espacial, afogamento, entre outros.

HISTÓRICO NO ES

Hoje, o CBMES possui 93 ME (Militares Estaduais) mergulhadores na ativa, sendo que destes, 25 estão distribuídos nas três equipes de serviço especializadas e destinadas somente com o foco para o serviço de MSP, o que vem demonstrando resultados satisfatórios.

Para chegar neste conceito e em um nível de profissionalismo aceitável, o processo, por vezes, é longo e no Espírito Santo iniciou quando, em 2002, por determinação do comandante-geral do CBMES, foi instaurada uma comissão composta por quatro militares com expertise na área. O objetivo era reformular o currículo do Curso de Especialização de Mergulho do CBMES (CEMAut/CBMES) e elaborar normas e procedimentos de segurança para o mergulho na corporação. 

Visando criar uma base sólida de conhecimento, com o intuito de reformular toda a doutrina da atividade de busca subaquática na corporação, esta equipe realizou diversas atividades. Dentre elas destacam-se as visitas à Marinha do Brasil, Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Minas Gerais e ao Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro, bem como análise de material didático e programa do Curso de Mergulho Autônomo do Corpo de Bombeiros Militar de Pernambuco, de material didático de credenciadora de mergulho internacional disponível na época e Normas de Segurança do Ministério do Trabalho, como a NR 15 - Atividades e Operações Insalubres.

Confira o artigo completo na edição de janeiro da Revista Emergência.
Comentários
Deixe seu comentário sobre a notícia:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
* E-mail, Profissão, Estado e cidade não serão publicados.
 
 
 
   
 
 
 
Código de verificação:

Repita o código ao lado:
 
 
Enviar


Notícias relacionadas
Mais de Leia na Edição do Mês
 
1     2     3     4     5     6     7     8     9     10
Edição do Mês
 
E Forum APH facebook Banner 6
 

 
 
© Copyright 2009 - Revista Emergência. Todos direitos reservados.
Rua Domingos de Almeida, 218 - 93.510-100 - Novo Hamburgo - RS - Brasil. Central de Atendimento: 51 2131.0400
Assine a Revista Emergência Outras Publicações Nossos Eventos Eventos Emergência SuperGuiaNet Loja Virtual Legislação
Entidades Estatísticas Download Fale Conosco
Loft Digital